Encerramento da greve de docentes da UFABC

A Assembléia dos docentes da UFABC realizada no dia 06 de setembro de 2012 decidiu pelo encerramento da greve na UFABC e pela retomada das atividades a partir do dia 10 de setembro. Foi decidido também que devem continuar as gestões relativas aos pontos da pauta local de reivindicações, bem como a atuação, em diversas frentes, junto aos parlamentares em Brasília com respeito ao Projeto de Lei 4368/2012. Também decidiu-se apoiar a criação de uma comissão tripartite (docentes, TAs e alunos) para subsidiar os trabalhos do Conselho de Ensino e Pesquisa relativos à reestruturação do calendário acadêmico da Universidade e reposição das aulas, e foi aprovado um documento contendo os princípios norteadores para a discussão sobre o calendário. Foi também votada uma moção pela suspensão das discussões com o governo a respeito do futuro campus Mauá da UFABC, enquanto não forem retomadas as negociações acerca da pauta prioritária de reivindicações dos docentes das IFES.

Anúncios

Petição pública pela reabertura das negociações

«Para que a Presidente da República, Dilma Rousseff, cumpra o que lhe compete ao abrir, de fato, as negociações com os docentes das Instituições Federais de Ensino Superior do Brasil, representados pelo Sindicato Nacional dos Docentes do Ensino Superior (ANDES-SN).»

http://www.avaaz.org/po/petition/Abertura_das_negociacoes_entre_o_governo_brasileiro_e_os_docentes_das_IFES_do_pais_representados_pelo_ANDESSN/

Fonte: Comando de Greve – Universidade Federal de Viçosa

Leia, assine, divulgue. Pense por um momento: A universidade pública brasileira pode ser muito melhor — redundando em benefício para você, para seus filhos, para a sociedade, a indústria, para o país, para a ciência, as humanidades, a cultura, e até para a imagem do Brasil no mundo.

Informes e documentos sobre a greve dos docentes

[15/08] Senadores apóiam reabertura de negociação do governo com docentes em greve.

[14/08] Comunicado do Comando Local de Greve a respeito do indicativo do CNG sobre a realização de Assembléias Gerais nas IFES com vistas à elaboração de uma contraproposta para negociação com o governo.

[10/08] Posicionamento oficial da reitoria da Ufabc, encorajando a rebaertura de negociações por parte do MEC sobre a carreira docente e posicionando-se contra o desconto de dias parados.

[09/08] Slides do Prof. Prof. Dr. Décio Luis Semensatto Junior, da Unifesp-Diadema, que permitem visualizar, por meio de gráficos baseados nos valores numéricos, a diferença entre a proposta de carreira estruturante do ANDES-SN e as carreiras desestruturantes — a atual e a do Proifes. (Versão em PDF) Para uma excelente apresentação dos antecedentes históricos e fundamentos conceituais, ver a palestra de Luiz Henrique Schuch. (Íntegra no site Ufabcmob: partes 1 | 2 | 3 | 4 | 5)

[08/08] Coordenador do MPOG mantém ponto de servidores em greve e se demite

[16/08] Artigo de Rogério Cerqueira Leite na Folha de SP e no Jornal da Ciência da SBPC. Deixa o leitor perplexo. Dificil determinar se é um artigo irônico ou sério. As referências a Freud e Stephen Jay Gould parecem paródicas. Trechos:

 "A proposta do executivo federal para o ensino superior é não apenas generosa. Ela é também extremamente inteligente, pois concilia os valores acadêmicos com os interesses individuais. [...] O amortizador natural para excessos grevistas é a supressão de salários. Sem este dispositivo, a greve perde sua legitimidade e grevistas se destituem de autoestima, como crianças de pais ausentes, alienados. [...] Pretender, todavia, que reitores, promanados que são do corporativismo interno das universidades, venham a exercer sua inequívoca responsabilidade seria de grande ingenuidade, embora não haja dúvidas de que grevistas estão apenas testando seus limites, como as crianças que fazem "birra"."

O menosprezo com que este artigo trata a luta e mobilização dos docentes em prol de uma pauta de reivindicações plenamente justa é tristemente surpreendente…

Assembléia dos docentes vota pela continuidade da greve

Os docentes da UFABC decidiram, em assembléia realizada na última terça-feira, dia 07/08, pela continuidade da greve, rejeitando o suposto acordo assinado pelo governo com o Proifes, por entender que tal acordo não atende as principais reivindicações e não representa legitimamente a vontade da categoria.

Vista da assembléia do dia 07/08

Vista da assembléia do dia 07/08

Também foi votado e aprovado pela assembléia o indicativo de um conjunto de diretrizes, preparadas pelo Comando Local de Greve, para nortear a elaboração de uma contra-proposta à última proposta do governo. O indicativo será encaminhado ao Comando Nacional de Greve.

A proposta da UFABC resulta de estudos e simulações feitos por docentes da UFABC considerando fatores como impacto orçamentário, projeções do PIB e outros. A proposta mantém, na essência, com diferenças apenas de detalhe, os pontos principais do projeto de resstruturação da carreira desenvolvido pelo ANDES-SN.

Assembléia decisiva dia 27

Nesta sexta-feira, dia 27/07, às 10h, ocorrerá uma assembléia decisiva para o movimento revindicatório dos docentes da UFABC. Será apreciada e discutida a proposta feita pelo governo na terça-feira, dia 24/07. Veja aqui a proposta do MPOG e aqui a análise feita pelo ANDES-SN.

A participação de todos é da máxima importância, para que múltiplos olhares sobre o tema sejam lançados, e variados pontos de vista estejam representados, de modo que a discussão possa ser aprofundada e a decisão tomada ao final (seja ela qual for) seja representativa.

Desconstruindo a cobertura em torno da proposta do governo

Foi publicado no site Observatório da Imprensa um texto imperdível da Profa. Sylvia Moretzsohn, da Universidade Federal Fluminense, intitulado “O jornalismo cego às armadilhas do discurso oficial”,  demonstrando de que forma a cobertura da imprensa sobre a proposta do governo apresentada no dia 13/07 tem sido, em muitos casos, pouco crítica, desinformada e desinformante.

Trata-se de leitura obrigatória para entender a questão. Especialmente para aquela parcela da sociedade que pode ter achado que o número mágico propalado pelo governo, “45%”, descreve corretamente a situação. Verão que está muito longe disso…

(Um recente exercício matemático, feito por um professor da UFSE, focado na questão salarial — e que portanto não trata da questão de fundo da greve, que, como já comentamos anteriormente neste blog, é a reestruturação da carreira — pode ser consultado neste link ou neste link.)